Dell

Notícia

  • 20/03/2018 Brasil perde US$ 10 bilhões por ano com cibercrime, diz McAfee

    As perdas das empresas brasileiras com crimes virtuais são de 10 bilhões de dólares (32,4 bilhões de reais) por ano. A estimativa consta de relatório da empresa de segurança digital McAfee, divulgado nesta quarta-feira. O estudo também aponta também que o país é a segunda maior fonte de ataques virtuais no mundo – o que torna o uma “potência” do cibercrime, ao lado de Rússia, Coreia do Norte, Índia e Vietnã.

    No mundo, as perdas totais por ano são estimadas em 608 bilhões de dólares anuais (1,978 trilhão de dólares). O montante reúne prejuízos decorrentes de problemas como roubos de valores, de propriedade intelectual ou informações confidenciais, manipulação financeira e danos à reputação de marcas.

    “É uma segunda economia, se equipara ao tráfico de drogas. Hoje, existem cerca 45.000 ferramentas disponíveis na ‘darkweb’ [área oculta na internet, normalmente usada para atividades ilícitas] para fazer ataques virtuais. Se existe a oferta, existe a demanda”, disse a VEJA Jeferson Propheta, diretor-geral da McAfee no Brasil. O crescimento das moedas virtuais, como bitcoin, é apontado como facilitador das atividades ilegais por permitir pagamentos anônimos.

    Tanto aqui como lá fora, os alvos preferenciais são as instituições financeiras, afetadas por problemas como sites falsos, cartões clonados e malwares (abreviação para software malicioso) direcionados. Os crimes virtuais são responsáveis por 95% das perdas financeiras dessas companhias, segundo a McAfee. A leitura é de que o Brasil é um alvo preferencial desse tipo de ataque por causa do volume de transações online. Em 2016, 57% das operações ocorreram nos meios mobile e internet banking, segundo dado da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban).

    https://veja.abril.com.br/economia/brasil-perde-us-10-bilhoes-por-ano-com-cibercrime-diz-mcafee/

  • Voltar